Notícias

Higiene bucal e hábitos alimentares saudáveis podem acabar com o mau hálito

Higiene bucal e hábitos alimentares saudáveis podem acabar com o mau hálito

By on Apr 24, 2015 in Notícias | 0 comments

O mau hálito atormenta muitas pessoas. Porém, suas causas são de simples combate na maioria dos casos. Possuímos muitas espécies de bactérias na região bucal e o acúmulo destas entre os dentes e na região posterior da língua geram o problema, que provém da produção de gases após a metabolização de alimentos que ficam depositados nestes espaços. – Costuma-se supervalorizar o papel do estômago quando o assunto é mau hálito. Porém, raramente esta é causa do problema. A exceção ocorre com refluxo gastroesofágico – explica a odontologista Leticia Boos. Outra causa muito comum é a saburra lingual. Aquela placa esbranquiçada de bactérias e células descamadas que se aderem à língua. Essa camada costuma aparecer em razão da falta de saliva ou por falta de escovação da língua. Uma boa higiene com o uso de raspadores pode combater esse tipo de problema. – Aliás, o ressecamento da boca pode causar mau hálito, mesmo sem apresentar essa camada de saburra. Isso se justifica porque a saliva é um anti-séptico bucal natural. Além de possuir substâncias antibacterianas, ela ajuda no enxágue da orofaringe, diminuindo os resíduos de bactérias e alimentos. Quanto mais ressecada a boca, pior o hálito. Por isso que quando acordamos, é extremamente comum apresentarmos o problema, que geralmente é passageiro – alerta Leticia. O mau hálito ao acordar ocorre pois muitas pessoas dormem de boca aberta e durante o sono, podendo ficar mais de 10 horas em jejum. Em períodos de jejum há pouca glicose disponível e o organismo então passa a queimar gorduras para produzir energia, o que gera substâncias com odor forte. – Repare que toda vez que estamos com muita fome ou em longos períodos de jejum, ficamos com mau hálito. Felizmente, este problema é fácil de resolver. É só se alimentar – aponta a odontologista. Algumas doenças sistêmicas que podem causar mau hálito são a diabetes mal controlada (hálito cetônico), cirrose e a insuficiência renal avançada. Além disso, a sinusite pode justificar o problema, que também pode ser apontado como primeiro sinal de faringite ou amigdalite. Nossos hábitos diários também influenciam no hálito. O tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas regularmente e a ingestão excessiva do café também estão ligadas ao odor. Por isso, é importante...

leia mais
Escovar os dentes imediatamente após as refeições é um erro: você sabia?

Escovar os dentes imediatamente após as refeições é um erro: você sabia?

By on Apr 10, 2015 in Notícias | 0 comments

A higiene bucal é um procedimento rotineiro, mas curiosamente é comum cometer vários erros durante este processo aparentemente tão simples. Por exemplo, você sabia que escovar os dentes imediatamente após as refeições é considerado um erro? De acordo com a odontologista Leticia Boos, o correto seria esperar no mínimo 30 minutos. – Este é o tempo necessário para que a saliva possa agir e neutralizar o pH dos alimentos e bebidas – explica a especialista. Outro engano comum é imaginar que as escovas com cerdas duras serão mais capazes de evitar as cáries. Porém, essa rigidez exagerada provoca o desgaste do esmalte dental e a retração gengival. Para obter o máximo de eficácia sem machucar, deve-se optar por escovas muito macias e com grande quantidade de cerdas. Com o auxílio da odontologista Letícia Boos, listamos outros erros muito comuns durante a higienização. Utilizar força exagerada A escovação deve ser realizada sem o emprego de força. O que realmente importa é a realização de uma técnica correta e a utilização de uma escova de boa qualidade. Os odontologistas recomendam optar por mais de cinco mil cerdas, do tipo ultramacias. Para escovar corretamente, pode-se optar pela “técnica de Bass”, que orienta que a escova seja apoiada suavemente sobre a superfície dos dentes em um ângulo de 45 graus, com a metade das cerdas recobrindo a superfície dental e a outra metade recobrindo a gengiva. Sem pressionar a cabeça da escova de forma exagerada, é necessário realizar movimentos vibratórios circulares durante aproximadamente cinco segundos em cada uma das superfícies dos dentes. Para facilitar esta tarefa, é sugerida a adoção de uma escova elétrica, que faz o movimento correto automaticamente. Utilizar escovas desgastadas Escovas desgastadas  O consumo de escovas dentais no Brasil é muito baixo. De acordo com a Associação Brasileira de Odontologia (ABO), a média por habitante gira em torno de uma escova a cada um ano e meio. Escovas velhas fazem com que, de uma forma inconsciente, os usuários aumentem a força e pressionem o cabo da escova durante a higienização. O ideal é que a escova dental seja trocada no máximo a cada dois meses. Frequência excessiva O hábito de escovar os dentes é fundamental, mas pode se transformar em...

leia mais
Botox apenas ameniza problemas da saúde bucal e resistência do organismo torna seu uso ineficaz

Botox apenas ameniza problemas da saúde bucal e resistência do organismo torna seu uso ineficaz

By on Mar 31, 2015 in Notícias | 0 comments

O uso da toxina botulínica já é mais que consagrado pela sua apropriação cosmética, através de injeções para a redução de rugas faciais. Porém, o famoso botox está ganhando novas funcionalidades, e atualmente chama atenção pelo seu potencial emprego na área de atuação do cirurgião-dentista. Contudo, sua ação é temporária e não soluciona, apenas ameniza os sintomas relacionados a alguns problemas da saúde bucal. – Além disso, o uso frequente deste recurso pode ocasionar a resistência do organismo. Sendo assim, com o passar do tempo, é comum que o botox se torne ineficaz – alerta a odontologista Letícia Boos. Casos de bruxismo, assimetria do sorriso e exposição gengival acentuada podem ser amenizados através da adoção da toxina, que também pode ser utilizada em casos mais complexos como a hipertrofia de músculos da face, dores articulares e para casos em que o implante e a prótese dentária são inseridos ao mesmo tempo. Entretanto, estes tratamentos exigem os cuidados de um profissional qualificado, caso contrário, o paciente poderia estar sujeito a severas complicações. Por possuir conhecimento sobre as estruturas de cabeça e pescoço, o cirurgião-dentista pode tratar certas afecções da face e da cavidade oral de forma conservadora e segura com a aplicação da toxina botulínica, desde que possua treinamento específico e conhecimento sobre a sua utilização e não extrapole suas funções. Além disso, é recomendada cautela na adoção do procedimento, pois o uso do botox pode estar associado a possíveis complicações. Entre os sintomas indesejados estão à reação alérgica, dor e inchaço no local da aplicação, entorpecimento temporário, náusea, dor de cabeça, alteração de voz e extensão da área do efeito, levando a paralisia indesejada de músculos...

leia mais